sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Da intimidade:

"No entanto, a intimidade é mais do que um súbito reconhecimento de afeto entre duas pessoas. Eu sei que sim. Mas o que é, na verdade? Talvez seja a experiência que, de vez em quando, temos - raramente, é certo, mas temos - de nos tornarmos cada vez mais transparentes e de sentir o olhar cúmplice e familiar de alguém penetrando suavemente em todos os nossos poros? E, de igual forma, sentir que o nosso olhar interior consegue atravessar e compreender esse outro ser? (Embora, no entanto, comecemos pelo exterior). Nem sequer se pode pensar em intimidade sem antes meditar nas coisas a frio e ser capaz de infligir um ao outro uma espécie de ferida afetuosa."

Robert Dessaix, in Corfu, trad. Ana Teresa de Castro, ed. Gótica.

4 comentários:

Anônimo disse...

Gata gateira, mãe amorosa, mulher selvagem; Elizabeth Taylor dos trópicos.
Acompanho de longe tuas peripécias e uma leitura do mundo que te faz única.
bjs pra ti, Pedro e Pepa

Lélia Almeida Mujer de palabras disse...

me pergunto curiosa quem será que me envia estas palavras tão amorosas de tão longe?

Anônimo disse...

Sutilezas não servem pra descrever a alegria de alguns encontros. Exageros, má-educação e salivação copiosa é que comandam os gestos.
Bom te ver.

Anônimo disse...

Mais que na hora de atualizar este blog. já sei, preguiça de verão, fim de ano atarefado ...
Impertinente